NO SUPREMO, RELATOR CRITICA PEC QUE FLEXIBILIZA O PAGAMENTO DOS PRECATÓRIOS.

Notícia de ontem (06/10) no site do Conselho Federal da OAB www.oab.org.br .

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Carlos Ayres Britto defendeu hoje (6) que sejam derrubados os principais pontos da Emenda Constitucional nº 62, que permitiu o parcelamento dos precatórios dos estados, Distrito Federal e municípios em 15 anos. Os precatórios são dívidas públicas resultantes de condenações judiciais. Britto é o relator de quatro ações no STF contra a emenda editada em 2009, que ficou conhecida como PEC do Calote. Após o voto do relator, o julgamento foi interrompido pelo pedido de vista do ministro Luiz Fux e não tem data para ser retomado. Em junho deste ano, a análise do caso já havia sido adiada pela falta de quorum no STF.

Além do prazo para pagamento, a emenda alterou a forma de correção monetária desses títulos, permitiu formas de compensação e reservou percentuais mínimos nos orçamentos dos municípios (entre 1% e 1,5%) e dos estados (entre 1,5% e 2%) para quitar as dívidas. A emenda ainda criou leilões, nos quais o credor que oferecer o maior desconto sobre o total da dívida terá preferência na quitação dessas indenizações decorrentes de decisões judiciais.

Para Ayres Britto, o princípio da moralidade administrativa, previsto na Constituição, pressupõe o pagamento das dívidas do Estado. Segundo ele, a emenda significa que os débitos do estados devem ser pagos “quando e como” o governo quiser e revela “falta de compromisso dos governantes com o cumprimento de decisões judiciais”.

“No mais das vezes, parece não faltar dinheiro para o pagamento dos precatórios. (…) O Estado reconhece que não cumpriu durante anos as dívidas que deveria pagar e edita uma lei limitando o valor em pequeno percentual de suas receitas, o que força os a levar a um leilão em que o objeto a ser arrematado é o próprio direito à execução de sentença transitada em julgada”, afirmou o relator.

Durante seu voto, Britto disse que encomendou um estudo para comparar valores pagos de precatórios com verbas destinadas à publicidade nos Estados. Segundo ele, os governos gastam mais com propaganda do que para quitar suas dívidas. “O pagamento de precatórios não se contrapõe de forma inconciliável à realização dos serviços públicos”, disse o ministro. Britto criticou ainda o dispositivo da lei que permite a correção das dívidas pelo índice da poupança, o que segundo ele não reflete a perda de renda do brasileiro.

A chamada Emenda do Calote foi contestada por várias entidades, entre elas a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Na primeira parte do julgamento, em junho, o presidente da entidade, Ophir Cavalcante, afirmou que a mudança afronta a eficácia das sentenças judiciais que determinaram o pagamento dessas dívidas e fere direitos do cidadão. Para ele, a decisão do STF pode “resgatar de dignidade” de pessoas que têm o direito de receber dívidas do Estado. A OAB estima que, atualmente, os precatórios totalizem cerca de R$ 100 bilhões em dívidas.

“Dar ao Estado a condição de escolher como vai pagar, desrespeitando uma coisa julgada, uma sentença que fixa as condições do pagamento, efetivamente, é fazer com que a sentença nada valha em função do poder de quem tem o dinheiro. Mais importante que tudo isso é a dignidade do ser humano que está em jogo”, afirmou Cavalcante.”

Esta entrada foi publicada em decisões judiciais, notícias, precatório e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

2 respostas a NO SUPREMO, RELATOR CRITICA PEC QUE FLEXIBILIZA O PAGAMENTO DOS PRECATÓRIOS.

  1. Luiz Heitor Penteado de Almeida Bicudo disse:

    Bom dia Luir.

    Apenas para deixar meu muito obrigado por este site. Eu sou um dos milhares, talvez milhões, que esperam receber aquilo que o Estado deve e não paga. Aqui, quase diariamente, encontro informações.

    Luiz Heitor

  2. lauro cobo disse:

    boa tarde agradeço a janela que se abre para dizer que a partir do governo do PSDB SR MARIO COVAS ,ate esta data eles jogaram na lata do lixo a CONSTITUIÇÃO, e fizeram a suas leis conforme suas vontades desrespeitando a justiça do pais ate quando vamos suportar essa democracia marrom e ipocrita a que saudades de quando se respeitavam a justiça

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>