PRECATÓRIOS E RPVs – UMA DÍVIDA SOCIAL.

Artigo de hoje de CLAUDIO LAMACHIA que é advogado e presidente da OAB/RS publicado no jornal ZERO HORA – http://wp.clicrbs.com.br/.

“O Estado costuma ser ágil em cobrar compromissos financeiros dos cidadãos, mas lento, muito lento, quando a relação se inverte. Essa condição de mau pagador é dramática no Rio Grande do Sul, quarto maior devedor de precatórios do país, com um passivo de mais de R$ 8 bilhões. Para alguns credores, as dívidas constituem-se em novela sem perspectiva de final e muito menos feliz, pois têm sido sucessivas as barreiras criadas no âmbito público para tergiversar sobre o tema.
O problema é geral e envolve tanto os grandes quanto os pequenos credores, aos quais o governo pouco tem feito além do reconhecimento dos débitos. Atenta ao assunto que, naturalmente, chega à advocacia por iniciativa das partes prejudicadas, a OAB levou ao Supremo Tribunal Federal ações diretas de inconstitucionalidade contra a Lei Estadual 13.756/2011, que alterou a sistemática de pagamento das chamadas Requisições de Pequeno Valor (RPVs); e contra a Emenda Constitucional 62/2009, que permite aos governos empurrar para as calendas gregas o pagamento de precatórios.

Muito justamente, denominamos a Emenda Constitucional 62/2009 de “PEC do Calote” e aguardamos ansiosamente a declaração de sua inconstitucionalidade pelo STF, assim como esperamos igual declaração para a Lei Estadual 13.756/2011. Não faz muito tempo, estivemos, acompanhados do presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, com o ministro relator, Dias Toffoli, a quem pedimos urgência na tramitação da ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pela Ordem. Nesta semana, comparecemos na Procuradoria-Geral da República, buscando a necessária agilização de seu parecer. Não é demais lembrar que a maioria dos credores aguarda há décadas pelos pagamentos e que parte deles deixou seus créditos como herança familiar.

A OAB está igualmente atenta a outro empecilho que se tem imposto às pessoas com recursos a receber: a falta de estrutura da Central de Precatórios do Tribunal de Justiça, que funciona no próprio Palácio da Justiça, em Porto Alegre. Em vistoria no local, identificamos condições físicas acanhadas e número insuficiente de pessoal para a liberação de pagamentos, o que resulta em subsequentes atrasos, apesar da existência de mais de R$ 300 milhões em caixa. É inconcebível a permanência desse estado calamitoso, em que a ineficiência burocrática e a falta de investimentos em áreas essenciais se sobrepõe ao interesse da sociedade e à Justiça.”

Esta entrada foi publicada em Opinião jurídica, Requisição de Pequeno Valor, precatório e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Uma resposta a PRECATÓRIOS E RPVs – UMA DÍVIDA SOCIAL.

  1. marcos dos santos disse:

    Vergonhoso e desesperador. Desde outubro de 2011 teria de receber uma dívida relativa a um acordo feito em 08/2009, tendo eu de abrid mão de dinheiro para não ir a precatório. Pela vergonhosa lei do calote, a dívida deveria ser paga em 05/2012, mas até agora, final de agosto não vi a cor do dinheiro. Já que a União não obriga o estado a saldar seus compromissos, e tampouco cobra do sr. governador o pagto. do piso mínimo, poderá me obrigar a pagar meus impostos atrasados? É pisar, massacrar os mais fracos, aqueles que mais precisam. E tem gente que culpa os professores gaúchos pelo fracasso da educação pública no estado. É melhor parar de escrever para não perder a compostura. Lamentável, aviltante, revoltante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>